Incômodas realidades

Por Dom Henrique Soares

O Senhor guia a Igreja, o Senhor está presente nela. Seu Espírito vivifica, suscita, orienta, sustenta… Não nos pede licença, não nos consulta: é soberano! Eleva, rebaixa, exalta, humilha… tudo para nos conduzir a Cristo, tudo para o bem da Igreja, tudo para que o mundo reconheça em Jesus o único Salvador, enviado pelo Pai para toda a humanidade.

Afirmo isto pensando na vida religiosa. Ela é uma realidade carismática presente na Igreja: não foi instituída diretamente por Cristo, mas é fruto da ação do Seu Espírito Santo, como sinal do Reino de Deus e das exigências para quem deseja seguir o Cristo Jesus. Foi assim que nasceu aquele modo livre, radical, estranho e aparentemente louco de seguir a Cristo: homens e mulheres que deixavam tudo por causa do Senhor e iam viver no deserto uma vida de oração, penitência, constante meditação da Palavra de Deus e serviço aos pobres. Eram loucos, eram incompreensíveis para o mundo… É isto a vida religiosa: loucura, embriaguez por amor ao Cristo nosso Senhor! É isto, nem mais nem menos! E quando deixa de ser isso, perde o sentido, torna-se insossa e definha!



No decorrer dos tempos, as formas de vida religiosa foram mudando, evoluindo: primeiro, viúvas ou virgens que moravam em comunidade sob o cuidado do Bispo, depois, monges solitários no deserto; posteriormente, as grandes abadias medievais, com 300, 500 monges, dedicados à oração, ao canto dos salmos, ao trabalho no campo e à vida intelectual; mais adiante, os loucos mendicantes – franciscanos, dominicanos e carmelitas -, que tudo deixavam e andavam pelas ruas das cidades européias, pregando e esmolando por amor de Cristo. Viviam em comunidade, na pobreza, castidade e obediência. Na Idade Moderna surgiram os jesuítas, práticos e eficientes, parecendo um exército de Cristo e do Papa, pronto para a batalha. Depois surgiu uma constelação de congregações com um carisma particular. Era uma novidade: uma vida religiosa com o objetivo não somente de viver simplesmente o Evangelho, mas destinada também a um trabalho (carisma) específico: escolas, hospitais, missões, cuidado dos pobres, trabalho paroquial, etc…

O importante era que em toda essa evolução – das origens a hoje – houve sempre algumas características que marcavam a saúde, o vigor e a fidelidade desse modo de viver:

  •  a “separação” da família e do modo de viver do mundo para viver “de modo realmente diferente” numa vida de comunidade fraterna por causa de Jesus Cristo;

 

  •  uma intensa vida de piedade e oração, penitência e sobriedade;

 

  •  a clara vivência dos votos de pobreza material, castidade efetiva, física, e obediência muito concreta e custosa;

 

  • a ruptura com os costumes do mundo (mesmo aqueles costumes honestos e legítimos), expresso no hábito religioso, que identificava e deixava claro para o religioso e para os outros a sua consagração e expresso também no modo de viver simples, recolhido e piedoso de quem abraçava essa vida…

É esta vida religiosa que está em crise. Na verdade, sempre estará em crise, pois ser religioso é ser livre, pobre, simples, radical, apartado do mundo… E há sempre uma tendência de acomodamento, de que, pouco a pouco, as estruturas que os próprios religiosos vão criando com o correr do tempo, sufoquem a simplicidade, a fraternidade originais e vão apagando o Espírito com a praga do comodismo, da frieza e da secularização…

No entanto, sobretudo depois do Vaticano II, com o pretexto de renovação, adaptação aos tempos modernos e de inserção no mundo, a vida religiosa entrou num profundo processo de esfriamento. Não sempre, mas muitíssimas vezes, os religiosos parecem aqueles que deixaram tudo para não deixarem nada: vivem como todo mundo, vestem-se como todo mundo, falam e agem como todo mundo. Os sinais do sagrado, do diferente, da radicalidade, da loucura e incongruência por amor de Cristo, desapareceram.

Hoje, os religiosos escrevem muito, sustentam grandes organizações, estudam muito, falam muito, defendem belas teorias de amor e justiça, mas aquele fervor simples e ingênuo que encantava e falava do Reino, na maioria dos casos desapareceu. E, sejamos sinceros: muitíssimas vezes, este tipo de vida religiosa já não atrai, não encanta, porque não convida a subir às alturas da adesão a Cristo, do amor e fidelidade à Igreja, da santidade de vida.



Mas, nossas infidelidades não conseguem bloquear a ação do Espírito. O Senhor quer e manterá sempre a vida religiosa na Igreja. Quando velhos modos de vivê-la já não são um testemunho que encanta, intriga e incomoda, o Espírito que sopra onde quer suscita novos modos: intrigantes, incômodos, loucos, encantadores e comoventes… Digo isto porque hoje está surgindo um novo modo de viver o carisma religioso: as comunidades de vida e de aliança! Muitos dirão: que loucura, que bando de radicais, despreparados, mal formados, fanáticos e beatos desequilibrados. O mesmo que disseram dos primeiros monges, de Francisco e seu irmãos, de Clara e suas irmãs, de Teresa de Calcutá e da maioria dos fundadores das atuais grandes ordens e congregações!

É comovente ver uma multidão de rapazes e moças, homens e mulheres, sem uma estrutura muito definida, sem muito estudo, na espontaneidade de quem sabe que o Evangelho e a Igreja são para todo aquele que deseja seguir a Cristo: vivem em comum, têm uma vida de pobreza verdadeira, radical, efetiva, amam a Cristo e procuram ser fiéis è Igreja e ao Papa, rezam muito e intensamente, demonstram profunda devoção e piedade , servem aos pobres de modo comovente e muito concreto e não têm medo nem vergonha de demonstrar que são consagrados, são de Deus, não são do “mundo”: usam uma cruz, uma roupa diversa, um hábito…. Essa gente incomoda, intriga, dá trabalho, questiona!

Bendito Espírito de Deus! Nem liga para os nossos esquemas, nem dá bola para os nossos medos, nem toma conhecimento da nossa frieza e falta de entusiasmo! Suscita novidade do jeito que bem quer e entende!
Dirão muitos: “Esses aí são gente desequilibrada e piegas, alienada e ignorante!” Cuidado! Não pequemos contra o Espírito Santo! Não queiramos sufocar a ação que Deus suscita. Certamente, que nessas comunidades novas há exageros, unilateralidades, etc. Mas, cabe à Igreja orientar, não sufocar; guiar, não desprezar; aproximar-se como mãe terna, não se afastar como estranha.

Conheço histórias comoventes dessas comunidades e de pessoas que nelas vivem. Pessoalmente, quando delas tomo conhecimento, emociono-me e recordo dos fundadores do passado e dou graças a Deus, que faz com que a loucura do Evangelho e a radicalidade despretensiosa e simples do Cristo estejam presentes na Sua Igreja hoje como no passado.

A Igreja não é nossa, não é dos leigos, não é da hierarquia – a Igreja é de Cristo e somente Ele é seu Senhor, que a suscita e orienta pelo Espírito! Não é por acaso que, no Novo Testamento, logo após se nomear os apóstolos como carisma, nomeiam-se os profetas, aqueles sem juízo, que falam embriagados pelo Espírito! Aprendamos a ouvir com docilidade o que o Espírito está dizendo! Às vezes, aqueles que mais falam em “discernir os sinais dos tempos” e “ser dóceis ao Espírito”, os que mais falam em “voltar às fontes”, são os que mais se fecham em seus esquemas ideologizados e se negam a admitir as loucas surpresas de Deus.

Quem dera que esses jovens sem juízo que desejam simplesmente viver Jesus e anunciá-Lo com a vida e a Palavra – Jesus da Igreja católica, Jesus concreto e vivo, Jesus que abraça os pobres e drogados! -, esse bando de loucos, nos incomodem sempre – sobretudo os religiosos que se encontrarem secularizados, acomodados, aburguesados – e nos recordem a simplicidade e radicalidade do Reino e nos faça sentir saudades do céu!



A vida religiosa é um dom precioso demais para se perder! Que ela esteja sempre presente no coração da Igreja, dando trabalho, surgindo de mil formas, mas mostrando sempre a santidade e a radicalidade, a felicidade e a plenitude do bem supremo que é conhecer e viver Jesus!

Amo, respeito e valorizo profundamente o inestimável dom do carisma religioso na Igreja! Por isso, louvando a Deus por tudo quanto foi feito e construído de bom no passado por tantas e tão veneráveis famílias religiosas, alegro-me com essas novas comunidades e espero que elas incomodem bem muito as congregações, para que também estas reencontrem seu caminho, se renovem e se encham de novo vigor. A Igreja e o mundo precisam de religiosos bem religiosos que sejam sinais proféticos do Eterno!

Compartilhar