Filme de Edir Macedo está entre os 100 piores filmes da história em site de cinema

A cinebiografia do bispo Edir Macedo, “Nada a Perder”, entrou na lista dos 100 piores de todos os tempos do site americano IMDB, um dos mais respeitados de cinema, com nota qualificada de 2,4.

Nesta segunda-feira (21) o filme brasileiro é o 52º da lista, que é formada por fracassos de bilheteria como “A Reconquista”, um dos piores filmes de John Travolta e Forest Whitaker, na 63ª posição, bobagens de Hollywood como a sátira “A Saga Molusco: Anoitecer” (75º) e bizarrices do tipo “Jurassic Shark” (12º), “Meu Parceiro é um Dinossauro” (87º) e “Papai Noel Conquista os Marcianos” (88º).

A lista é liderada pelo obscuro filme turco “Kod Adi K.O.Z” (2015), seguido por “Salvando o Natal” (2014) e “Bebês Genias 2: Super Bebês” (2004).



Lançado em 1990, o IMDB tem mais de 83 milhões de usuários registrados. A lista de piores filmes dá mais peso às avaliações de quem analisa frequentemente os títulos cadastrados no site, diminuindo assim o risco de fraudes. Apenas filmes que estrearam no cinema e tiveram mais de 1500 avaliações são considerados. Na avaliação geral, contando todos os usuários, a nota do “Nada a Perder” é 7,1.

Em abril, os produtores do filme “Nada a Perder” comemoravam a classificação 100% positiva no IMDB em outra lista, que levava em consideração todos os votos que o filme teve, mesmo que fossem de usuários desconhecidos. Depois de críticas de usuários, algumas avaliações positivas foram excluídas pelo site.
No Brasil, o filme conquistou no começo do mês o título de maior bilheteria da história no país, com mais de 11,446 milhões de ingressos vendidos, ultrapassando outra produção da Record, “Os Dez Mandamentos”.

A equipe Angelus Domini apurou que membros da igreja têm anunciado nas redes sociais ingressos com direito a transporte gratuito até a sala de cinema, levantando a suspeita de que a própria Universal estaria “esgotando” sessões para distribuição, o que sempre foi desmentido pela igreja.

Semanas antes da estreia, a Universal divulgou um texto alertando seus fiéis de que a mídia usaria de “fake news” para prejudicar o lançamento do filme. O comunicado diz: “A mídia, os produtores e promotores destas fake news tentarão, de todas as formas, espalhar que o êxito do filme foi manipulado, que os ingressos teriam sido comprados pela Universal e distribuídos aos fiéis. É mentira! O que existe é a mobilização espontânea de grupos e de membros da Universal, que se organizaram para que o maior número de pessoas tenha chance de assistir ao filme.”



Assim como seu antecessor, nem todas as salas “esgotadas” de “Nada a Perder” encheram completamente. A reportagem acompanhou uma das primeiras exibições no dia da estreia, no Shopping Frei Caneca, região central de São Paulo. A sessão, que tinha 172 ingressos vendidos, foi vista por 76 pessoas na sala.

Compartilhar