Como fazer denúncias na Igreja Católica

Não, o objetivo deste artigo não é atacar a CNBB, algum sacerdote em específico ou provocar uma rebelião de leigos , nosso propósito é apenas esclarecer uma dúvida que todos os dias estamos recebendo por e-mail!

Nas últimas semanas viralizou na internet vídeos e fotos de paróquias de várias partes do Brasil cometendo atos de sacrilégio na santa missa e isso não é de hoje, em paróquias que apoiam a teologia da libertação isso virou uma rotina. Casos de “missa afro”, cosplay de Jesus Cristo desfilando na missa na hora do Glória, teatro no meio da missa, enterro da imagem de Cristo Morto em um cemitério no dia da Sexta-Feira da Paixão e o mais recente, santíssimo pendurado em um drone, é dever do leigo denunciar abusos como esse como está previsto no Código de Direito Canônico:

Cân. 212 – § 1. Os fiéis, conscientes da própria responsabilidade, estão obrigados a aceitar com obediência cristã o que os sagrados Pastores, como representantes de Cristo, declaram como mestres da fé ou determinam como reitores da Igreja.

§ 2. Os fiéis têm o direito de manifestar aos Pastores da Igreja as próprias necessidades, principalmente espirituais, e os próprios anseios.

§ 3. De acordo com a ciência, a competência e o prestígio de que gozam, têm o direito e, às vezes, até o dever de manifestar aos Pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja e, ressalvando a integridade da fé e dos costumes e a reverência para com os Pastores, e levando em conta a utilidade comum e a dignidade das pessoas, dêem a conhecer essa sua opinião também aos outros fiéis.*



Mas isso não significa que a igreja seja uma democracia onde a opinião do povo é a que vale, é importante saber que a santa igreja é uma teocracia onde Nosso Senhor Jesus Cristo é rei, então o objetivo da igreja sempre será agradar a Deus e não ao homem, se você não gosta da missa X, Y e Z por razões pessoais obviamente sua denúncia não resultará em nada. Não podemos esquecer também que na igreja não tem essa história de X9, então se você vê algo de errado denuncie! Não fique parado e com medo de ser o dedo duro da história, lembre-se que isso é pelo bem da santa igreja, coloque Deus como prioridade perante as suas amizades.

Em quais casos se deve fazer uma denúncia?

A razão da sua denúncia deve ser plausível e em casos extremamente importante, não faça denúncias se você não vai com a cara do padre ou por motivos fúteis, sempre tenha bom senso na hora de avaliar os casos. vejamos alguns exemplos de casos que devem ser denunciados:

  • Sacrilégio e abuso litúrgico: Fique atento e saiba o que é sacrilégio e abuso litúrgico!

Como está escrito no Catecismo:

2120. O sacrilégio consiste em profanar ou em tratar indignamente os sacramentos e outras ações litúrgicas, bem como as pessoas, as coisas e os lugares consagrados a Deus. O sacrilégio é um pecado grave, sobretudo quando é cometido contra a Eucaristia, pois que, neste sacramento, é o próprio corpo de Cristo que Se nos torna presente substancialmente .

O abuso litúrgico é tudo aquilo que, de vez enquanto ou frequentemente, propositalmente ou ou de forma não proposital, sai das normas litúrgicas próprias do que está expresso no Missal Romano, ainda que tal abuso seja algo já difundido e pareça algo normal ou inclusive litúrgico. É aqui que mora o problema da coisa, muitos desconhecem o missal e por algum motivo podem achar que a forma correta seja a forma errada, por exemplo, muitos achar que comungar de joelhos é errado o que na verdade não é, por isso é muito importante que você leia o Missal e tenha pleno conhecimento do mesmo.

  • Escândalo envolvendo o Padre: Casos de pedofilia, quebra de celibato e corrupção como ocorreu na diocese de Goiais.
  • Infração de algum artigo do Código de Direito Canônico: Mais uma vez, isso é uma questão de bom senso e conhecimento do CDC.
  • Casos que levem a excomunhão:  Profanação das espécies sagradas (o Corpo e o Sangue de Cristo); Absolvição por um sacerdote do cúmplice do pecado da carne; Violação direta do segredo da Confissão pelo confessor.

Quem faz aborto, apóstatas, cismáticos e hereges são excomungados automaticamente, sem que seja necessário a Igreja publicar uma sentença formal contra ele, então nestes casos não é necessário a denúncia, no entanto você deve denunciar ao seu pároco caso esta pessoa insista em querer receber a comunhão.

Existem outros motivos não listado aqui, que aliás você pode adicionar nos comentário, mas sempre lembrando que se deve ter cautela e bom senso na hora de avaliar os casos, na dúvida, sempre peça a orientação a um sacerdote de outra paróquia para te auxiliar.



Depois de identificado o problema a ser denunciado, você deve ter provas do mesmo, se possível, fontes primárias (vídeos, áudios, fotos, prints de conversas etc), caso você não tenha provas primárias será difícil realizar a denúncia, mas dependendo do caso, se você juntar uma grande quantidade de testemunha pode ser que a denúncia dê prosseguimento.

A quem eu devo denunciar?

A primeira pessoa que você deve realizar a denúncia é ao seu padre, caso a denuncia seja sobre o seu padre logo você deve denunciar ao seu bispo local e se a denúncia for sobre o seu bispo local você deverá realizar a denuncia a Nunciatura Apostólica no Brasil.

A lógica é simples, você deve seguir a hierarquia da igreja dependendo do caso, muita das vezes o bispo local já resolve tudo.

Atenção

Em casos de pedofilia a primeira coisa a ser feita é ir na polícia civil e fazer o exame de corpo de delito o mais rápido possível e realizar a denúncia, logo em seguida você irá levar a denúncia ao seu bispo local. Caso o ocorrido aconteça com alguém próximo é importante você ligar para o disque denúncia, a ligação é anônima. E lembre-se, tenha certeza da acusação, pois isso é algo extremamente sério.

Como denunciar?

A nível paroquial você apenas deve conversar com o seu pároco, a nível diocesano você deve juntar todas as provas, imprima tudo, escreva uma carta na norma culta da Língua Portuguesa escrita de forma respeitosa (sem ofensas ou palavras de baixo calão), se possível, com a assinatura das testemunhas, explicando o fato a ser denunciado, junte tudo e vá até a Mitra Arquiepiscopal da sua região ou envie pelos Correios, você também pode fazer isto por e-mail caso seja possível, no entanto, recomendamos o envio de cartas, dependendo da sua diocese a caixa de e-mail do seu bispo deve sempre está lotada. Caso a denúncia seja referente ao seu bispo, o processo é o mesmo, mas envie a carta para a Nunciatura Apostólica no Brasil. Aliás não adianta enviar uma carta para o papa reclamando das coisas que acontece aqui no Brasil, nós explicamos isso em um outro artigo de Como enviar uma carta para o Papa, neste caso a carta que é enviada pelo papa é apenas para tratar de assuntos como felicitações ao santo padre, para casos de denúncia para o Vaticano você deve denunciar para a Nunciatura Apostólica no Brasil, a nunciatura é como se fosse um consulado do Vaticano aqui no Brasil.

Lembre-se de usar os pronomes de tratamento Vossa Eminência V. Ema.(s) caso se dirija a um Cardeal, V. Revma.(s) caso se dirija a um bispo e Exmo. e Revmo para se referir ao Dom Giovanni D’Aniello, nosso atual  Núncio Apostólico no Brasil, quando for escrever a carta.

Abaixo segue o endereço e o telefone para contato da Nunciatura Apostólica para denuncia:

Endereço: SES – Av. das Nações – Qd. 801 – Lt. 01/ 70401-900 – Brasília – DF
Caixa Postal: 3383 – 70059-970
Telefone: (61) 3223-0794 ou 3223-0916
Fax: (61) 3224-9365
E-mail: [email protected]

Por fim, vamos falar das denúncias feitas nos meios de comunicação, não é errado fazer este tipo de denúncia, inclusive nossa equipe costuma fazer isso de forma rotineira, no entanto, este meio deve ser usado como última opção e sempre como uma forma de educar o povo, postar um vídeo de uma missa afro, sacrilégio ou abuso litúrgico na internet apenas reclamando não vai resolver em absolutamente nada, mas você escrever um comentário catequizando as pessoas, alertando do porquê aquilo é errado e não deve ser feito e sempre mostrando fontes da igreja como Catecismo, CDC dentre outros documentos, aí sim isso é correto. Foi isso que o Bernado fez em seus vídeos denunciando a CNBB, ele com leigo fez o seu papel de manifestar aos Pastores sagrados a própria opinião sobre o que afeta o bem da Igreja (como está escrito no Cân. 212 citado acima), fazendo vídeos alertando os fiéis do Brasil inteiros, tudo justificado pelos documentos da igreja, porque era necessário e envolvia coisas muito graves na igreja em um nível hierárquico que não era possível resolver nos meios citados neste artigo. Mas a melhor forma de todos os leigos combaterem esses males que afetam a igreja é rezando pelo sacerdócio e catequizando o povo corretamente, reze o terço em intenção ao sacerdócio, seja catequista, lute contra a teologia da libertação de forma correta, sem gritos, arrogância ou ofensas.

Compartilhar