Ascensão do Senhor: Há um Senhor no mundo

Por Dom Henrique Soares

Celebramos hoje a Solenidade da Ascensão do Senhor. No Credo professamos: “Subiu aos Céus; está sentado à Direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos e o Seu Reino não terá fim”. Que significa este mistério da nossa fé?

Primeiramente, é muito importante observar que a Ascensão é celebrada no Tempo da Páscoa, aquele período que, no dizer de São Jerônimo, é todo ele como se fosse o dia da Páscoa. Então, a Ascensão é aspecto integrante do mistério pascal, é uma das facetas da Páscoa do Senhor.

Mas, o que significa afirmar que o Senhor Jesus subiu aos Céus e está sentado à Direita do Pai?
Ele não somente ressuscitou, mas, por Sua cruz e Ressurreição, foi glorificado e, na Sua natureza humana, foi totalmente divinizado, entrou como Homem Novo, glorificado, nos Céus, isto é, na vida íntima da Trindade e foi constituído Senhor do céu e da terra, Senhor de todas as coisas: “Deus O constituiu Senhor e Cristo, este Jesus a Quem vós crucificastes” (At 2,36).



Afirmar que Jesus Cristo está na Glória do Pai é afirmar que Ele é Senhor de todo o universo, de toda a criação, da história humana e de nossas vidas. Ele, porque Se fez homem, porque entrou no nosso mundo, porque entrou na história humana é, agora, glorificado, Cabeça e Juiz do nosso mundo e da nossa história. A Ascensão é a verdadeira festa de Cristo Rei!

Há um belíssimo texto em Ap 4,1 – 5,10 que exprime de modo impressionante tudo isso. Vejamos alguns pontos dele: “Depois disso, tive uma visão: havia uma porta aberta no céu” (4,1). Depois da Morte e Ressurreição do Cristo, há no céu uma porta aberta e o homem pode agora contemplar na fé o mistério do desígnio de Deus: Cristo nos abriu o caminho, Ele mesmo é o Caminho para a Casa do Pai.

“Havia um trono no céu, e no trono, Alguém sentado…” (4,2). Trata-se do Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. O mundo – por mais maluco que pareça -, a nossa vida – por mais conflituosa que seja -, não caminham sem rumo: há Alguém no trono, há Alguém que tudo dirige e tudo conduz com sabedoria e suavidade: há um Deus no céu!

“Diante do trono ardiam sete Lâmpadas de Fogo: são os sete Espíritos de Deus” (4,5). Os sete Espíritos podem ser interpretados como sendo o Espírito Santo: sete significa riqueza, plenitude, perfeição. Lâmpadas de fogo, fogo que ilumina, purifica e transfigura – eis a ação do Espírito Santo! Ele ilumina o nosso mundo, revelando e sustentando o bem e trazendo às claras o mal e o pecado, que serão queimados e destruídos.

“Vi depois, na mão direita Daquele que estava sentado no trono, um livro escrito por dentro e por fora e selado com sete selos” (5,1). Este livro selado contém o sentido da história humana e da nossa história pessoal: nossa vida está nas mãos de Deus. “Vi, então, um Anjo poderoso, proclamando em alta voz: ‘Quem é digno de abrir o livro, rompendo seus selos?’ Mas ninguém no céu, nem na terra ou sob a terra era capaz de abrir nem de ler o livro” (5,2-4).

São palavras impressionantes: neste mundo, enquanto durar nossa história, há tantas sombras: injustiças, mortes, opressões, infidelidades… Qual o sentido de tudo isso? Qual o sentido da vida? Qual o sentido de história humana e da nossa história? Amor, ódio, vida, morte, alegria, miséria, tristeza, projetos… Para onde vai tudo isso? Que é o homem? Qual o seu destino? Ninguém é capaz de desvendar cabalmente o mistério da existência… Quantas vezes somente podemos sentir o gosto amargo de perguntar pela dor do mundo e da vida sem encontrar a resposta: “Eu chorava muito, porque ninguém foi considerado digno de abrir nem de ler o livro” (5,4). “Um dos Anciãos, porém, consolou-me: ‘Não chores! Eis que o Leão da tribo de Judá, o Rebento de Davi, venceu para poder abrir o livro e seus sete selos’” (5,5).

Aqui Cristo é apresentado: Ele é o Leão de Judá, o Rebento de Davi, que venceu o pecado e a morte e pode dar sentido à história humana, com suas lágrimas e alegrias.

“Vi um Cordeiro de pé, como que imolado. Tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete Espíritos de Deus… Ele veio então receber o livro da mão direita Daquele que está sentado no trono” (5,6-7). A imagem é fantástica: o Cordeiro está imolado, foi imolado por nós, permanece num estado de contínua imolação; mas, ao mesmo tempo, de modo paradoxal, está de pé: é vencedor, é Aquele que triunfou sobre o pecado e a morte! Seus sete chifres representam a plenitude do poder e da força e os sete olhos representam a plenitude do Espírito, que tudo perscruta e julga todas as coisas. Ele recebe do Deus que está sentado no trono o poder de discernir a história humana, de julgar todas as coisas. “Digno és Tu de receber o livro e de abrir seus selos, pois foste imolado e, por Teu sangue, resgataste para Deus homens de toda tribo, língua, povo e nação” (5,9).

Eis o motivo pelo qual Ele é digno de nos julgar: porque Se comprometeu conosco, conosco conviveu, experimentando a dureza de nossa existência e por nós morreu, amando-nos até o fim. Ele pode nos julgar: conhece-nos e ama-nos; seu juízo é juízo de amor!



A Ascensão do Senhor coloca-nos diante dessa maravilhosa realidade! Quando olhamos em torno a nós um mundo secularizado, descrente e incerto entre o cinismo e o desespero, sentimo-nos, às vezes confusos e até desanimados na fé. Não temamos: nossa existência caminha para o Cristo, nosso mundo caminha para o Cristo: Ele, imolado por nós, é Aquele que tem em Suas mãos a nossa vida! A Ele, a Igreja se confia, Nele espera e Nele deposita a esperança de sua vida. A todos os Seus discípulos e a cada um de nós, Ele diz: “No mundo tereis tribulações, mas tende coragem: Eu venci o mundo!” (Jo 16,33)

Compartilhar