Após missa pela libertação de Lula, Santuário Nacional de Aparecida lança nota de reparação

Como parte das tradições da missa católica, o padre João Batista de Almeida falou, durante a hora das Intenções: “Pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para que Nossa Senhora Aparecida o abençoe e dê muitas forças e se faça a verdadeira justiça para que o quanto antes ele possa estar entre nós, construindo com o nosso povo um projeto de país que semeie a justiça e a fraternidade, rezemos ao senhor”.

Procurada, a assessoria de imprensa do Santuário não se manifestou imediatamente sobre as razões para a homenagem feita pelo padre João Batista Almeida durante a missa, e se suas palavras foram redigidas por ele mesmo ou apresentadas pelos romeiros.



Segundo o PT, os romeiros vieram de várias localidades e a manifestação foi organizada pelo Movimento Mineiro de Fé e Política e pelo Fórum Político Inter-religioso. Eles vestiam camisetas vermelhas com a foto de Lula e carregavam faixas. Diversos registros em foto e vídeo mostram os manifestantes chegando em Aparecida e entrando na Basílica para a missa.

O ato foi planejado desde o começo de maio. No dia 3 de maio, a Arquidiocese de Aparecida divulgou nota sobre o pedido feito pelo PT para que a Basílica recebesse os romeiros, afirmando que o ato seria recebido de maneira democrática, sem apoio partidário.

“O Santuário Nacional de Aparecida é um espaço sagrado que acolhe todos os filhos e filhas de Nossa Senhora Aparecida, sem distinção. Da mesma forma, também é uma Casa que se coloca contra toda e qualquer utilização do seu espaço para fins políticos ou ideológicos. Com base nos valores éticos e cristãos, o Santuário Nacional entende que o momento atual é propicio de reflexão e protagonismo do cidadão ao que tange às escolhas eleitorais, por isso, sob qualquer hipótese se posiciona ou se posicionará em favor de quaisquer líderes políticos, refutando toda e qualquer iniciativa que queira utilizar-se do Altar da Eucaristia para fins de promoção individual ou partidária”, afirmou a Arquidiocese, em nota.

Hoje,em nota oficial, o Santuário Nacional de Aparecida lançou uma nota de reparação, veja o texto na íntegra.

Saudação e Bênção a todos,

Nós, Dom Orlando Brandes, Arcebispo da Arquidiocese de Aparecida; Pe. José Inácio de Medeiros, Superior Provincial dos Missionários Redentoristas da Província de São Paulo; Pe. João Batista de Almeida, Reitor do Santuário Nacional de Aparecida, através desta nota, nos dirigimos ao povo brasileiro e, em especial, aos devotos de Nossa Senhora Aparecida. Manifestamos nosso profundo pesar pelo desapontamento que causamos a todos. Pedimos perdão pela dor que geramos à Mãe Igreja, aos fiéis e às pessoas de boa vontade.

Em nossa Ação Pastoral, o Santuário Nacional, a Arquidiocese de Aparecida e a Congregação Redentorista não defendemos uma posição político-partidária, que é contrária ao Evangelho. Estamos sim, em comunhão com o Magistério e com a Doutrina Social da Igreja.

Contudo, eu, Pe. João Batista, Reitor do Santuário Nacional, manifesto meu pesar e peço o perdão de todos que se sentiram ofendidos pela maneira como conduzi a celebração da missa das 14 horas, do último dia 20 de maio. Quero reafirmar meu compromisso com a Arquidiocese de Aparecida, com a Congregação do Santíssimo Redentor, com os colaboradores e voluntários do Santuário Nacional e com todos os que bebem dessa fonte de restauração de vidas.

Encerrando, renovamos nosso pedido de perdão e confiamo-nos à oração de todos. Pois, com a Mãe Aparecida, “tudo o que é quebrado pode ser restaurado”. Queremos continuar fazendo do Santuário Nacional a Casa da Mãe de todo o povo brasileiro.



Interceda por todos nós a Mãe Aparecida, Rainha e Padroeira do Brasil, a Mãe da Misericórdia.

Dom Orlando Brandes
Arcebispo de Aparecida

Padre José Inácio de Medeiros
Provincial da Unidade Redentorista de São Paulo

Padre João Batista de Almeida
Reitor do Santuário Nacional

Fonte: Santuário Nacional

Compartilhar